Primeira Feira de Ciências de famílias educadoras em 2017

Esse ano nossos estudos de Ciências foram muito enriquecidos devido à feira de ciências. Ao longo dos últimos anos fizemos pesquisas, alguns experimentos, mas nunca tínhamos tido a oportunidade de apresentar nosso trabalho para um grupo.

As crianças gostaram muito de montar o cartaz, de preparar o trabalhado,  e de falar em público. Todos os participantes da feira, até as crianças pequenas, prestigiaram as apresentações uns dos outros.

Ciências é uma das disciplinas que procuro ensinar todos os meus filhos ao mesmo tempo.   Para isso, tomo o cuidado de exigir mais das mais velhas e de explicar para as mais novas as dúvidas que surgirem. Por isso, nossas filhas apresentaram um mesmo assunto dividido entre as 3 mais velhas.

Nosso tema foi o Mundo Animal. Os meus cinco filhos preparam o cartaz que foi um treinamento de recortar e colar para  Isabel, Cecília e Leonel.  Todos fizeram a experiência empírica de cuidar dos animais que trouxemos para casa para estudar. As mais velhas, Maria e Alice, prepararam seus textos com a seleção do que falariam.  E no fim aprenderam bastante.

Continuo confiante em nosso formato de estudo de ciências, e aprendi que um bom modo de motivar as crianças a capricharem ainda mais nesse assunto, é promovendo uma feira de ciências.

Festa de Todos os Santos 2017

A Festa de Todos os Santos é uma tradição para nossa família. Esse ano participamos pela terceira vez e o entusiasmo se mantém. Contei com o apoio de outras mães muito mais caprichosas do que eu e que fizeram arranjos de mesa, anjos de papel, trouxeram músicas, guloseimas e produziram lindas fantasias para seus filhos. Com isso nossa festa foi mais uma vez um momento especial.

Muito além do simples desfile de fantasias essa ocasião sempre nos permite falar dos Novíssimos com nossos filhos. Dia das bruxas, dia de Todos os Santos e Dia de Finados são a ocasiões de nos lembrarmos de que nossa vida terá um fim, de que nossa existência não é banal, que temos uma alma imortal e que um dia viveremos o juízo particular.

Além disso, todos os anos aprendemos sobre alguns santos e sobre suas lindas biografias. Com isso nos colocamos numa postura interior de amor ao bem e ao desejo de sermos também santos. Toda essa preparação das roupas e da decoração da festa é tão rica quanto a própria festa.

Esse ano minhas filhas escolheram Santos dos quais já havíamos falado em nossas leituras ao longo do ano: Santa Felicidade, Santa Doroteia, Santa Cecília e Santa Rainha Isabel.

Mostrar para nossos amigos nosso trabalho, nossa pesquisa e nosso figurino é especial para as crianças. Ficamos muito contentes por poder reunir nesse dia festivo famílias católicas e amigas e celebrar nossa filiação divina e nosso chamado universal à santidade.

Dica de atividades para crianças de 0-4 anos derivadas da Leitura em voz alta em família

Faço todos os dias pelo menos uma hora de leitura em voz alta para as crianças. Baseada no método de ensino de Charlotte Mason procuro tornar nossas lições breves e seguidas de exercícios de narração. Assim que terminamos um capítulo, uma das crianças reconta a história oralmente.

Nesse mesmo horário procuramos decorar poesias e salmos, aprendemos sobre os evangelhos, lemos História Geral e livros literários associados ao momento da história que estamos estudando, aprendemos sobre ciências, mas também nos deleitamos com as leituras de Contos de Fadas.

Esses momentos junto aos livros, que são ansiosamente esperados por meus filhos,  se tornam mais significativos quando conseguimos desdobrar a experiência literária em outras atividades ao longo do dia.

Nessa  semana lemos a história “Sopa de pedra”, mais tarde naquele dia, durante nosso momento dedicado à música, ouvimos “Sopa Supimpa”. Foi uma grande alegria para as crianças pequenas reconhecer que se tratava da mesma história. Aprendemos a cantá-la e cantamos muitas vezes enquanto nos deslocávamos no trânsito. No final do dia nenhum alimento seria mais festejado do que a sopa feita pela bisavó.

  • porque jantamos com o computador na mesa? É o modo que encontramos de trazer o Papai para a reunião familiar quando ele está viajando.

Do mesmo livro, lemos em outro dia a história do Homem Biscoito. Terminada a leitura houve um pedido unânime: fazerem elas próprias seus homens biscoitos. Modelar a massa foi uma divertida atividade de motricidade fina para as mais novas. Contaram as medidas e fizeram a experiência sensorial da farinha, do óleo. No final aproveitaram o lanchinho.

Uma excelente forma de fazer pré-escola em casa é envolver a criança na dinâmica da família. Não é preciso um currículo elaborado de aulas, basta boa vontade para responder com simplicidade o que a criança perguntar, e permitir que ela faça por si mesma  algumas das coisas que faríamos mais rapidamente sozinhas.

 

 

Alfabetizando aos 4 anos

Cecília (4 anos) e Isabel (3 anos) fazem atividades do livro “Consciência fonológica” todos os dias. As atividades que fizemos nesses primeiros meses foram relacionadas com histórias rimadas, cancioneiro popular, poesias e atividades referentes a ouvir sons. Uma aula tem a duração de uma hora. Nossas atividades de pré-alfabetização são as seguintes:

______________________

  • Cantamos 3 canções por dia. Repetimos as mesmas muitas vezes. Afinal na idade dos meus filhos (4 anos, 3 anos e 1 ano) a repetição torna qualquer assunto mais interessante. As preferidas são as cações de roda.
  • Fazemos jogos de rimas com as poesias da Cecília Meireles “Ou Isso Ou Aquilo”. Com muita tranquilidade as crianças vão decorando os versinhos. Depois de ouvir uma porção de vezes elas decoram e começamos a brincar com o poema. Por exemplo, cada uma completa o verso que a outra começou.
  • Escolhi o livro Bíblia em Rimas para trabalhar as histórias rimadas. Cecília – 4 anos – é a que mais gosta dessa parte. Lemos 3 histórias por dia. Já decoramos o livro. Então, se você conhece algum outro livro infantil em rimas me ajude colocando a dica nos comentários.
  • Dos jogos de discriminação auditiva o favorito por aqui é o Gato mia. Tenho uma ninhada inteira de gatos querendo se esconder pela casa. Até Maria (9 anos) e Alice (7 anos) fogem dos estudos para brincar junto com os irmãos.

_____________________________

No ano passado tentei começar um trabalho mais sistemático de alfabetização com a Cecília, mas percebi que ela não estava suficientemente madura. Agora ela está realmente interessada nas palavras. Percebi isso porque ela anda atrás de mim com livros na mão perguntando o que está escrito. Portanto, Chegou a hora. Penso que cada criança tem seu tempo de amadurecimento e eu o respeito. Na idade que Cecília tem hoje, Alice já lia. Mas Cecília é Cecília e Alice é Alice. Homeschooling não é um festival de crianças prodígio. São crianças normais aprendendo em casa com a mãe. A meta é cada qual ser o melhor dentro de suas característica e aptidões. Vencer as limitações no tempo que for preciso e dar espaço para florescerem os talentos individuais.

Começamos o livro “Aprender a ler” com a Cecília – 4 anos. E agora chegamos numa parte em que se espera que a criança conheça já o alfabeto. Será que ela já decorou? Paramos tudo e vamos revisar o alfabeto. Ouvimos no ano passado as músicas do site bebele.com.br muitas vezes. Lá a letra grafada e o fonema são apresentados conjuntamente.

Decidi fazer um projeto sobre as letrinhas para ensinar a Isabel – 3 anos. Começamos a montar um alfabeto de bolinhas de papel. A atividade deixa os pequenos concentrados por um longo tempo e prepara a coordenação motora fina para a escrita. É um meio de manter o ambiente tranquilo enquanto as crianças maiores fazem suas atividades. Além disso, é uma atividade simples que pode ser feita com materiais simples: cola, jornal velho e papel. Porque o Leonel – 1 anos e meio – fez a atividade também com a mamãe? Porque a alegria dele é arrancar as bolinhas. Então fiz um especialmente para ele parar de atrapalhar as irmãs.

20170623_183852

 

64 atividades simples para se fazer nas férias

Estamos em tempos de férias escolares. Essa é a época para o descanso, mas também podemos nos esforçar para proporcionar aos nossos filhos atividades que ao longo do ano não tiveram oportunidade de vivenciar. Para inspirar os pais que estão querendo fugir dos shoppings e do excesso de televisão reuni 64 atividades não escolares que fizemos ao longo desse ano e que apareceram em nosso diário no facebook. São coisas simples, de baixo custo, divertidas e alegres. Férias é a oportunidade ideal para crianças serem simplesmente crianças. Desejo a todos ótimas férias!
1
Faça um piquenique no parque

2

Relembre brincadeiras simples e antigas. Use as coisas da casa para fazer um cavalo ou para caminhar em latas.
3
Tome um banho de mangueira.

4

Vá andar de bicicleta em família.

5

Uma caixa plástica cheia de areia vira canteiro de obras de caminhões, deserto de bonequinhos, comidinhas de todos os tipo.

6

Faça bolhas de sabão.
7
Se reúna com amigos para fazer artesanato.
8
Com papel kraft e tinta guache, faça desenhos ou bagunça. Não se preocupe com a bagunça, lavar tudo em dia de sol é uma ótima atividade de férias.

9

Em um dia de chuvisco, tome um banho de chuva.

 

10

Encontre um local que tenha mapa e faça um passeio acompanhando-o. Se não encontrar, faça um mapa você mesmo.

11

Leia!

12

Vá com sua família correr em um parque.

13.

Encontre um parquinho e divirta-se!

14.

No dia seguinte encontre outro parquinho e divirta-se na areia.

15.

Procure uma trilha em sua cidade.

16

Aproveite a família reunida para fazer biscoitos. Não se preocupe com a bagunça, ajudar a limpar é uma ótima atividade de férias também.

17.

Leia na rede.

18.

Escale muitas árvores.

19.

Canetas de escrever em cd + canecas esmaltadas = canecas personalizadas.

20.

Cabanas! podem ser de panos ou de almofadas. O importante é usar a imaginação e fazer, cabanas previamente feitas não tem tanto sabor de férias.

21.

Visite a família.

22.

Se a criança sabe ler, que leia para os outros. Se ela ainda não sabe ler, que leiam para ela.

23.

Enquanto um adulto lê um livro mais extenso, As Crônicas de Nárnia, por exemplo, desenhe a história. Ao longo dos dias você fará um lindo álbum.

24.

Coloque bambolês no chão e brinque de tocas de coelhos.

25.

Encontre um parque onde possa jogar bola.

26.

Faça todo tipo de brincadeira com massinha de modelar.
Brincadeiras de massinha são divertidas com amigos também.

27.


Pular elástico. Diversão garantida.

28.

Cante.
29.
Que tal fazer uma deliciosa salada?

30.

Patine.
31.
Jogue bola e invente jogos.

32.

Brinque de se esconder.

33.

Brinque na terra.

34.

Faça um Quiet book.

35.

Cante! O cancioneiro popular fica mais divertido com alegria e instrumentos simples feitos com coisas da cozinha.

36.

Aproveite as áreas verdes para procurar diferentes tipos de pássaros e tirar fotos.

37.

Procure por folhas de formatos e cores diferentes. Uma ótima ideia é fazer um diário da natureza.

38.

Master Chef Junior.

39.

Que tal aproveitar as férias para visitar ainda mais lugares especiais.

40.

 

Aprenda a tocar uma música em um instrumento.
41.

 

Escale

42.

 

Brincadeiras sem brinquedo: Adoleta.
43.

 

Será que consegue ajuda para fazer um fogueira?

44.

 

Deitar e olhar as nuvens. Qual o formato mais divertido que encontrou?
45.

 

Afaste os móveis e brinque de fundo do mar.
46
Faça o mais lindo livro de colorir que conseguir.

 

 47.
Faça um bolo de iogurte. É fácil.
48.
Brinque embaixo da mesa.
 49.
Que tal conhecer uma história nova da Mãezinha do Céu e depois colorir com tinta aquarela.
50.
Reúna os amigos para fazer Scrapbook – se você for um menino, que tal fazer um craft?
51.
Encontre um parque que sua família ainda não conheça. Explore.
52.
Faça uma festa do pijama.
53.
Improvise balanças simples.
 53.
Faça uma trilha na natureza.

 

e passe bastante tempo junto da natureza.
 54.
Que tal procurar um local com animais de fazenda?
55.
Tente pescar em família.
 56.
Jogos, quebra-cabeças, tangram são ótimos para horas de chuva.
57.
Aprenda algum divertido artesanato.
58.
Alguns metros de corda geram as mais variadas brincadeiras: escalada, cabo de guerra.
 59.
Cuide de um Pet.

60.

Dê tempo para seu filho brincar com os presentes de Natal. Não precisamos programar todos os dias da vida deles. Tire dias para não fazer nada, afinal são as férias.

61.

Passe tempo com papai, talvez ele goste de jogar videogame.

62.

Encontre um local com balanço e aproveite.

63.

Quando o sol estiver adequado, aproveite um escorregador também.

64.

Se chover, chame os amigos para um cineminha em casa. Mas tente não ficar assistindo  televisão mais do que o tempo de um filme.

Leitura: alimento para o imaginário

Nesse segundo semestre nossa jornada pelo universo da cultura está voltada principalmente para o enriquecimento do imaginário. Estamos focadas em nossa leituras. Sempre trazemos belas histórias, belas vidas, contos de fadas. Agora, com duas leitoras competentes, essa tarefa pode ser ampliada e facilitada. Todos os dias todos leem.
Vivemos num ambiente social no qual as pessoas têm uma imaginação muito pobre. As vidas possíveis, os valores, as virtudes e tudo o que há de beleza moral é relativizado ou tido como algo distante e fora de moda.
Lamentavelmente essa beleza está sendo substituída por histórias tolas. No mundo infantil os efeitos disso se somam aos do excesso de exposição às tecnologias e geram uma hiperestimulação que contribui para a deformação da imaginação – ou pelo menos para a poluição dela – e para uma saturação dos sentidos.
Para muitas crianças o belo e o grotesco não se distinguem mais. São apenas novas imagens num triste indiferentismo diante do que se vê e do que se ouve. São tantas imagens, sons, e tanta feiura estética e moral que se perde a sensibilidade para a beleza e para a contemplação.
Na contramão dessa triste tendência é possível experimentar um efeito interessantíssimo que as belas histórias têm sobre as crianças. Lemos alguns livros da condessa de Segúr e aos poucos as crianças foram aprendendo a ficar em silêncio e prestar atenção. Agora já vibram com as virtudes e se indignam diante da maldade. Histórias toscas e mal elaboradas – o mundo do Bob esponja – já não as atraem.
Nossa fórmula é: leitura, leitura e mais leitura. Quando limitamos o tempo que as crianças passam na frente de uma tela para poucas horas restritas ao final de semana, nossas crianças ficaram mais interessadas na fantasia e na imaginação e consequentemente centrada na audição e na leitura de histórias.
Isso vai criando um alicerce de poesia e beleza onde se poderá mais tarde construir camadas mais sofisticadas de discurso.