Semana Santa, a cada ano uma lição

A cada ano a quaresma trás alguma tensão em meu coração, que vai se agravando, até a chegada da Semana Santa quando algum aspecto da história da salvação ganha uma nova luz para mim. Percebo que é preciso voltar muitas vezes ao pé da cruz e pedir ao Senhor que eu veja o que minha alma precisa. E a cada ano me é oferecida uma oportunidade de crescer de fé em fé, de amor em Amor.

Álvaro nasceu no primeiro dia da quaresma no ano passado, foram quarenta dias intensos. Quando chegou a Sexta-feira Santa e a memória da paixão, eu ainda sentia dores do pós parto. A cada passo da história, a dor de Cristo me doía. Eu que sofria por ter amado – mas sofria mal – imaginava e me comovia com a loucura de amor de nosso Senhor, minha carne podia entrever o que poderia ter sido o “esse é o meu corpo que será entregue por vós”. Nunca saberei ao certo o quanto sofreu Cristo, mas eu aprendia por meio de minha dores, a agradecer o Amor com que me amou o Senhor.

No ano anterior, nesses dias eu acompanhava Leonelzinho na fisioterapia. Meu bebezinho chorava a cada minuto e eu sabia o quanto aqueles instantes de desconforto eram importantes. Não podia acalentar nem impedir, e me partia o coração vê-lo sofrendo diante de meus olhos. Na semana da paixão, estar com Nossa Senhora transformou meu coração. Como pode uma mãe suportar tal dor? Como poderia ser minha mãe também tendo eu colocado tantos espinhos naquela coroa? Aquela semana santa me amadureceu o amor pela Santíssima virgem Maria.

Outra vez, vivi dias em que não aceitei bem os dissabores naturais da vida, estava frustrada, braba com Deus que não faz a minha vontade mesquinha. Ouvi os evangelhos sobre o povo que dizia hosana num dia e no outro gritava “crucifica-o” e entendi que minha alma estava respresentada ali. Como não se render diante de tal Amor que morreu por mim? Que alegria perceber que somos pecadores e indignos do Amor recebido.

Nesse ano, vivi uma quaresma marcada pela angústia do parto que virá, antecipando na imaginação os meses dolorosos pós cirurgia. Meu coração se rebela e a ansiedade me tira do amor presente e me coloca no egoísmo vitimista. Nesse ano a meditação da semana santa me permitiu estar melhor com Cristo na agonia depois da última ceia. A antecipação, a angústia, a aceitação, o amor.

Que alegria imaginar que a cada ano temos um tempo para recordar o quanto somos amados. Um tempo para recordar que somos cuidados pelo Todo poderoso. Um tempo para conversão e alegria. Oh Cristo – dizemos com o Santo Padre João Paulo II –, como não te dar graças pelo dom inefável que nos ofereces nesta noite! O mistério da tua Morte e da tua Ressurreição infunde-se na água batismal que acolhe o homem velho e carnal, e o faz puro, com a mesma juventude divina.

2 comentários em “Semana Santa, a cada ano uma lição

  1. A dor caminha junto com o Amor.
    Cristo sofreu tanto na cruz ,para nós mostrar o tamanho do seu amor por nós. Quando mais amamos mais sofremos. Ao estarmos abertos a vida, dizemos nosso fiat a Deus ,como a Virgem Maria.Pedimos a Deus, como Jesus Cristo ensinou, faça a sua vontade e não a minha porquê?
    Porque, acreditamos no céu, que Jesus nos preparou um lugar, que ele olha cada dor, cada lágrima, mesmo em meio a nosso egoísmo não queremos ser egoístas e ele sabe disso!
    Obrigada!
    Por partilhar, que Deus a guarde sempre a você e toda família ❤❤❤❤❤❤❤❤❤
    Grande abraço com muito carinho. Sua amiga e irmã em Cristo.Tais

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s